Sessão de desapego

Há algum tempo, tenho lido aqui na internet e pensado mais sobre a questão do consumismo, minimalismo e viver com menos. Com tanto estímulo a “ter” sempre mais, somos desafiados a nadar contra a corrente. Não estou aqui para falar de uma nova filosofia de vida, mas pra te fazer repensar sobre algumas coisas que a gente guarda em casa.

Nós, bibliotecários, temos a tarefa anual, em algumas bibliotecas, de fazer o descarte de livros, para dar lugar aos novos, afinal nosso espaço é limitado. Alguns não veem a hora de desocupar a estante de livros velhos, outros relutam e não querem se desfazer de alguns livros mais antigos.

Com o acervo pessoal, o apego é ainda maior. Apaixonados por leitura e livros de papel têm prazer no cheiro, toque, têm carinho pelos livros. Alguns separam por cores, por autor e até mesmo por preferência. A questão é que gostamos mesmo de ver eles na estante, lindos e expostos. 

No entanto, com o leitor digital, não é possível ter essa visão maravilhosa e por isso, desde que comprei meu Kindle, percebi que meus livros ficavam mais como um estoque, guardado pra “um dia eu ler de novo” (o que nunca aconteceu).

Uma das 5 leis de Ranganathan, que são fundamentais para a biblioteconomia, diz que “os livros são para serem usados”.

Os livros existem para serem lidos e não para ficarem pegando poeira na estante. Tanto conhecimento e um mundo inteiro de possibilidades fica parado por simples apego nosso. Que tal se propor a mudar isso? 

Na empresa onde trabalho, fizeram uma campanha de doação de livros para a criação da biblioteca de um presídio. Achei muito boa a iniciativa e quis contribuir. Isso me levou a analisar minha estante com a perspectiva de que os livros que eu tinha poderiam ser realmente úteis para outras pessoas. De um em um, enchi 3 sacolas (e ainda fiquei com muitos). Ao entregar na seção responsável por receber, os funcionários ficaram impressionados com tanto livro e foram dar uma olhada. No final das contas, cada um escolheu alguns livros para ler (super empolgados, rs), com o compromisso de passar adiante, e ainda foram outros para biblioteca. 

Fiquei muito feliz e me deu impulso pra fazer isso com outras coisas que tenho. Percebi que posso e preciso compartilhar mais, não preciso ter tanto. Se eu não gostei, outra pessoa pode gostar. Se eu descobri algo muito bom, posso compartilhar.

De tudo, é interessante pensar no valor que aquilo tem pra você. Se você mudasse de casa e não tivesse muito espaço, valeria a pena carregar aquele “peso” com você? O quanto aquilo é importante e necessário pro seu dia a dia ou pra quem você é? 

O que você acha de tentar? Comece a pensar naquilo é realmente útil pra você!

Deixo o desafio para os apegados de plantão! 🙂

 


6 comentários sobre “Sessão de desapego

  1. Desapegar, conjugo esse verbo todos os dias, e ao que diz respeito aos livros já faço há um bom tempo. É ótima a sensação de ver uma pessoa feliz porque você está lhe dando um livro, experimentem é maravilhoso.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s